2. Profeta Amós: O Chamado de Deus Para o Homem Simples

Por

Leitura de Amós 1.1-2

Amos proferiu palavras que eram a personificação da comunicação divina na visão.

Ele simplesmente estava trabalhando em sua vida dura e simples – o significado de seu nome já declara isso: “O Carregador de Cargas”.

Sua rotina diária dos deveres caseiros, foi interrompida por uma intimação Divinas:

Vai, profetiza ao meu povo Israel.”

Foi um evento estranho Deus ter levantado um profeta de Judá para atingir o reino das dez tribos – Israel.

Para um homem de nenhum treinamento e posição, para levantar-se da posição de um pastor, e predizer a destruição de uma nação próspera e poderosa. Isso exigiria atenção universal.

Mas por ora, vamos investigar algumas implicações de como a chamada de Deus interfere na vida de um homem simples e trabalhador, que pode ser a minha e a sua história.

I. A Palavra de Deus muitas vezes trata com homens de origem humilde

“As palavras de Amós, que estava entre os pastores de Tecoa.”

Amos era apenas um pastor comum e um figo-cultivador. Um homem sem aprendizagem e conexão na vida. No entanto, veio o convite para ele.

Isso significava que ele deveria deixar o “urgente-necessário” natural, pois se trava de seu sustento e da sua família, para fazer o “urgente-necessário” espiritual, pois era para o sustento e manutenção do plano original do Eterno.

  • Como um homem simples poderia não considerar o poderio das seitas de então?
  • Como não perceber que o sistema era gigante e deveria remar contra a opinião da grande maioria?
  • Como não sentir o desprezo dos ignorantes que lhe afrontaria?

A maioria dos homens populares e talentosos dos tempos são procurados para tornar a nossa causa um sucesso para às pessoas e são aplaudidas.

Mas Deus “escolhe as coisas loucas do mundo para confundir os sábios.

Diante do Eterno os orgulhosos e poderosos são tidos como monturo (monte de lixo), e se o Eterno quiser fazer uso de alguns deles, primeiro eles são levados às profundezas do abismo para verem que não valem nada. E só então são exaltados ao trono da graça prontos para o ministério.

Deus se vale

  • Do Eliseu do arado,
  • De David do aprisco,
  • De um Gideão colhendo escondido,
  • De um Mateus colhendo impostos para os opressores,
  • De um Pedro da pesca.

São selecionados para serem mensageiros de Deus pessoas simples. Cristo fez de pescadores e publicanos os seus apóstolos para serem pescadores de homens.

Os filósofos da Grécia e os senadores de Roma foram passados ​​por largo.

Depôs poderosos de seus assentos, e exaltou os humildes.

Os homens de maior eminência e utilidade subiram das mais baixas fileiras. Deus conhece os “homens certos” para os tempos certos, encontra-os e coloca-os em “o lugar certo.”

Muitos neste momento estão cultivando figos-bravos, no campo trabalhando sem mesmo saberem o que lhes aguardam – eles são os humildes, desprezados e desconhecidos, mas que Deus está se preparando para as esferas mais honrados.

II. O chamado de Deus muitas vezes vem a homens de um menor significado na esfera da vida

Um humilde pastor foi enviado para profetizar aos reis de Israel.

Alguns homens estão descontentes em seu lugar, acham que eles merecem uma maior oportunidade, gostam de valorizar planos ambiciosos para o futuro.

Mas se não formos fiéis no pouco, não será o muito que conseguiremos

“Primeiro, se desejamos, devemos também merecer”

Se enchermos nossa posição atual com diligência, fé e seriedade, estamos no caminho para ser honrado pelo Eterno.

“A força de seu próprio mérito faz o seu caminho.”

Moisés era um servo fiel na sua própria casa antes de se tornar mestre em Israel. Nossas ocupações seculares são sagradas e não devem ser desprezadas. Estas ocupações são cheias de grandes possibilidades e potenciais para nos levar para a bênçãos mais elevadas.

Deus fala aos homens de negócios,
Desperta poderes adormecidos, e
Chama a ilustre honra.

Trabalhar em nossas tarefas diárias e confiar em Deus para o futuro. Nossa promoção não vem do oriente, nem do ocidente, nem do sul. Mas Deus é o Juiz: “a um abate e a outro exalta.” O que o Eterno poderá fazer com você agora: Abater ou Exaltar?

III. O chamado de Deus, muitas vezes trata de homens em momentos especiais

Nos dias de Uzias, rei de Judá, e nos dias de Jeroboão.

Os tronos deste mundo já estavam ocupados, mas Amós continuava no seu trabalho humilde, focado e fiel ao seu talento natural para produzir e vender seus figos-bravos e ovelhas na rota comercial do Reino do Sul – Judá.

Mas o significado de seu nome era ideal para a missão que o Eterno lhe deu. O “Carregador de Fardos” agora levaria um fardo mais pesado – o do próprio Eterno.

Ele entrega o fardo do Senhor àqueles que cada vez mais ficam “Pesados na Balança de Deus˜.

Ele foi acusado de conspiração e aconselhado a fugir, mas defende sua inocência e autoridade, e com o heroísmo de um servo de Deus e ainda repete a mensagem desagradável, que se desenrola no desagrado Divino.

Na roupagem de pastor, ele denunciou a idolatria do tribunal, prediz a destruição do reino, o cativeiro do povo. Aqui podemos enumerar:

1. Tempos de prosperidade naturais:
Durante o vigoroso reinado de Jeroboão II o reino de Israel ampliou seus domínios pela subjugação dos estados adjacentes. Com uma maior segurança de fora, e administração mais firme, havia paz profunda, a prosperidade material, e gratificação social no meio da classe dominando.

O rei Uzias (de Judá) também havia subjugado os edomitas e os filisteus, e também estava em paz com os amonitas. Ele havia fortificado Jerusalém, e levantou um poderoso exército. Seu nome se espalhou até para o Egito (2 Crônicas 26).

Sob estes reis os dois reinos haviam alcançado o cume do seu poder e esplendor.

2. Tempos de corrupção moral:
Prosperidade nacional não é garantia que não haverá religião. Muitas vezes, gera a indiferença, o amor ao conforto e a falta de um julgamento para o homem simples sempre está sendo medido na balança do Eterno.

A idolatria havia sido sancionada pelo Estado, e misturado com a adoração a Deus.

  1. Os luxos, deboches e conduta imprudente dos ricos foram confirmadas por oprimir os pobres (cap. 2:7, 8; 3:9).
  2. Perversão da justiça (cap. 2:7; 5:7),
  3. Suborno (cap. 2:06, 5:12), e medidas falsas abundavam.
  4. No mundo dos negócios havia podridão (cap. 8:5, 6).
  5. Em toda parte, o pecado mostrou-se no preço vil dado para artigos de luxo (cap. 2:06; 8:6).

No palácio e do santuário, da metrópole para as fronteiras, a corrupção moral prevaleceu.

Mas Amos trovejou para fora a palavra de Deus em meio ao esplendor e maldade que o rodeava. Ele apresenta perante eles – os seus pecados e pronuncia a sentença de Deus sobre eles.

Portanto, assim diz o Senhor Deus. Portanto, assim farei a ti, ó Israel. Por isso o Senhor, o Deus dos exércitos, o Senhor diz assim” (3:11; 4:12; 5:16).

3. Número de eventos físicos:
Dois anos antes do terremoto.” Os terremotos são, por vezes, precursores naturais próximos das evoluções. Quando os homens estão mergulhados em pecados e viver em absoluta falta da justiça social é que Deus tem muitos meios para despertá-los do sono.

Quando os homens desconsideram a palavra do Eterno, os sinais não-naturais e extraordinários proclamam sua raiva.

Este terremoto deve ter sido muito grande. Ele é descrito como “o grande terremoto“, e foi vividamente lembrado nos dias de Zacarias.

Cidades inteiras, como Lisboa, são destruídas por terremotos no Oriente, diz um escritor. Josefo diz que em um destes, um pouco antes da época de Cristo, cerca de dez mil foram enterrados sob as casas em ruínas.

Referindo-se a isso, ele diz: “Por que metade de uma montanha foi removido e levado para uma planície quatro estádios de folga, e destruído os jardins do rei.

Mas neste tremor da terra a que se refere o profeta Amós, ouvimos a voz, o Rugido de Deus às nações avisando seu perigo, antes do flash luminoso do fogo que consome.

IV. A chamada de Deus para os homens é muitas vezes uma chamada para entregar uma mensagem desagradável

O Senhor brama de Sião, e proferir a sua voz de Jerusalém.” Muitos estão dispostos a entregar notícias agradáveis; querem pregar “coisas agradáveis“, mas poucos têm a coragem e a abnegação de ir na cara da opinião pública, e declarar a verdade, com o risco de suas vidas.

Amos tinha que denunciar o julgamentos, que são muitas vezes tão necessário quanto as misericórdias – Ambos têm um objetivo, e separá-los indica visualizações pervertidos do caráter e procedimento Divino. Assim, observamos as seguintes enumerações:

1. Julgar com autoridade em sua origem:
De Sião” de Jerusalém, onde Deus habitava e era adorado. Não é de Betel, nem em Dan, nem nas cidades de Samaria e Jezreel, mas nas cidades de Israel que Deus se manifestar.

Sião era (onde os irmãos rivais de Israel habitavam) a sede do governo, de onde saía o juízo e era também o centro da misericórdia do Eterno.

A partir dali emitiu decretos e decretos para Israel e para o mundo. Isso só mostrava que todas as nações estão nas mãos de Deus.

No início, portanto, o profeta advertiu Israel e declarou o nome e autoridade do Senhor, o Rei de Sião. “O Senhor brama do alto, e proferir a sua voz desde a sua santa morada.

2. Altos Acórdãos em sua natureza:
(Acórdão: decisão final proferida sobre um processo por tribunal superior, que funciona como paradigma para solucionar casos análogos; aresto.)
Jeová vai rugir contra eles como um leão, terrível para os pastores e seus rebanhos. Sua voz deve ser ouvida, e a mensagem exige atenção.

Deus ruge antes lágrimas, e avisa antes que ele ataque.

Assim me fez o Senhor falou para mim: Assim como o leão e o jovem leão rugindo sobre a presa, quando uma multidão de pastores é suscitada contra ele, ele não vai ter medo de sua voz, nem humilhar-se para o barulho deles: Assim fará o Senhor dos exércitos descerá, para pelejar sobre o monte Sião, e sobre o seu outeiro

Ora, se Deus os quisesse os pegar surpresa, jamais avisaria de seu rugido. Deixaria ele dormindo sem percebe a hora do ataque. Mas é a misericórdia e a graça do Eterno que o faz avisar à suas presas – quem sabe alguém se desperta e se arrependa.

3. Acórdãos específicos na sua concepção:
Os Acórdãos mostram que todos os problemas a respeito de Israel, diz o Bispo Reynolds, têm suas instruções:

  • O que fazer,
  • Para onde ir,
  • A quem tocar,
  • E a quem passar por cima.”

A tempestade passou sobre países vizinhos, mas finalmente cai no poder de trevas a que vive o reino de Israel. Ninguém está fora do alcance ou pode escapar do castigo de Deus – muito menos o “Povo” chamado de Seu Povo.

As setas do Todo-Poderoso nunca perde a sua marca, e cravará em pessoas em quem eles são disparados.

Setas enviadas por amor ou por julgamento, causam feridas que só ele pode curar. 

Direcionadas aos homens de poder – estes são atingidos de cima para baixo, e os mortos do Senhor são muitos quando ele lidera na guerra.

Aqueles que pecam contra a luz e privilégios merecem maior juízo do que outros. As vantagens de Israel foram excelentes, e os pecados de Israel eram graves.

Vai, profetiza ao meu povo Israel.

4. Acórdãos terríveis em sua consequência:
Este juízos (acórdãos) proferidos são lidos e os termos que os descrevem. Não só, como o bramido de um leão do seu lugar secreto; mas, como a explosão de uma tempestade, que se derrama sobre a terra, e carrega desolação em sua condução:

( a ) A terra está ferida:
Suas terras e árvores frutíferas foram  feitas estéreis. O cume do Carmelo, denotado por sua fertilidade e excelência, foi consumida pela seca. Todas forragenes e verdura murchou como uma flor.

Sharon é como um deserto; e Basã e Carmelo foram sacudidos seus frutos” (Isaías 33:9).

( b ) As habitações dos homens sofrem:
As habitações dos pastores se lamentarão” Isto não é mera personificação poética. Os pastores choram em pastagens secas e as suas habitações estão desolados pela calamidade geral.

A Natureza, os animais e os homens, estão sentindo agora a visitação do Eterno, e choram de tristeza.

Deus pode arruinar as bênçãos mais dos homens. Quando “A terra pranteia, desfalece“, nos resta chorar de arrependimento e abandonar o pecado.

Deixe uma resposta