Comentário de Salmos 1 Junto ao Ribeiro das Aguas

Por

Considere o seguinte:

I. A VIDA BEM-AVENTURADA TEM UM SEGREDO:
“Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios” (Sl 1.1).
Qualquer ser na face da terra poderá encontrar com as bênçãos quando andar no sentido oposto ao conselho dos ímpios. A primeira linha do primeiro versículo já derruba totalmente a filosofia do mundo!

Os ímpios acendem sua luz direcionando a caminhada apenas para o dia comum desta vida, mas a sua luz é roxa e visa apenas o próprio prazer. Os conselhos dos ímpios se baseiam na sua satisfação egoísta e destrutiva, mas o justo sabe que o mundo está errado.

O mundo está errado, por isso o poeta já declara que os conselhos dos ímpios não podem conseguir deter aquele quem quiser ser um Bem-aventurado.

A política do ímpio, a ação iníqua, o desprezo que o mundo tem das coisas divinas e sagradas não podem deter a felicidades do justo.

História Para Exemplificar:

Na África Central, sempre que uma caravana erra o seu caminho, ela é obrigada a refazer seus passos e retornar ao caminho do qual se desviou. Eles jogam um ramo em todo o caminho errado, e um sulco é riscado no solo por meio de pés, de modo que outra caravana não cometa o mesmo erro.

II. ABANDONE O CONSELHO DO ÍMPIO
Mas o ímpio se alegra em direcionar as pessoas para o precipício. Muitas vezes os conselhos dos ímpios não trazem aparência de maldade, mas só percebemos isso quando estamos debaixo da luz das Escrituras.

E o poeta apregoa como que fazendo um sinal na terra para não cairmos assim como se fazem na África Central. O poeta salmista estabelece um funil de segurança para não cairmos e por isso ele diz: “Mas o seu prazer está na lei do Senhor”.

O fato é que o poeta entende que “Dever e felicidade são atos vitais, e deve ser colocado diante dos princípios vitais.”

III. CORRETO RELACIONAMENTO DA NOSSA ALMA COM A LEI DE DEUS.
O segredo da felicidade é a atitude correta da alma para a verdade de Deus. 
“Mas a sua vontade está na lei do Senhor“. O viés da vontade é em direção à verdade divina, ao passo que os ímpios são obstinados.

É uma questão de “prazer na lei”, e não porque a lei o faz enriquecer financeiramente, nem tão pouco porque a lei o ameaça. Ele só entende que a Lei é justa, pura e boa. É seu prazer amoroso que impede que infortúnios, adversidades, más notícias, e o inferno venha tirar o brilho desse prazer. Quando conseguimos alinhar nossa vontade (empenho) com nosso prazer (sentimento).

Uma relação correta dos afetos à lei de Deus. A Lei é mais do que uma simples regra, após a qual o homem é enquadra sua vida exterior”. Ele se enche de admiração e prazer pela Lei do Senhor.

IV PODE A LEI ESTIMULAR AFETOS QUE ALEGRAM O CORAÇÃO?
Sim. O homem piedoso contempla na lei espiritual a declaração da natureza Divina, que é o amor essencial, e ele se deleita na lei, segundo o homem interior.

O justo possui uma relação de inteligência com a lei de Deus, porque “Ele medita no dia lei e de noite“. Devemos conhecer a lei para que possamos perceber a sua beleza e apreciar o seu valor, e quanto mais sabemos sobre ele, maior será a nossa alegria.

Enquanto o justo devora as Escrituras linha por linha, porque é apaixonado e tem prazer na Lei do Senhor, o ímpio é ignorante da lei divina, concebe mal, não pode conhecer a verdadeira liberdade e bem-aventurança;

O Justo, cujos olhos estão abertos para as coisas profundas da lei, anda em liberdade, e sabe gozar da paz indescritível. Ele não busca a felicidade em coisas do tempo, mas trabalha para conhecer a vontade de Deus, e para que o seu coração esteja em harmonia com essa vontade, e é assim que – “encontrareis descanso para as nossas almas”.

Considere o seguinte:
V. A IMAGEM DA VIDA BEM-AVENTURADA:
“Pois será como a árvore plantada” (Sl 1.3).
1. A Segurança desta bem-aventurança. Significa firmemente plantados. “Rios”, indicam refresco infalível de espírito; as correntes de verdade e influência divina.

As alegrias carnais florescem e murcham conforme alteração das circunstâncias, mas sua alegria permanece porque sua vida está enraizada em Deus.

“Sua alma, regada pelos rios do Paraíso, não sabe o que é estação seca e queimada.” Ao lado dos córregos no Oriente pode ser visto árvores, em todas as estações cobertas com vegetação de luxo, flores ou frutas; enquanto as que estão distantes das águas, são árvores anãs e insalubres, com quase uma folha para agitar nos ventos do céu”

2. A Manifestação desta bem-aventurança. O homem de Deus é conhecido pela beneficência da sua vida. “Produz o seu fruto no seu tempo“. A vida verdadeiramente abençoada é uma vida de beneficência; e se nós temos prazer na lei de Deus, devemos aperfeiçoar nosso caráter individual, caber-nos para a esfera e temporada em que vivemos, e nos faça uma bênção para a nossa geração.

Como acontece com uma palmeira, tudo o que está nela é lucrativa: Suas folhas, sua madeira e frutas. Também com a cristão, tudo o que ele faz é redundar em honra do nome do Divino e do benefício de seu vizinho.

O homem de Deus é conhecido por a beleza de seu caráter. A sua folha também não vai cair. Como a folhagem da árvore é a sua beleza e glória, assim será o que tem prazer na lei do Senhor dará graça e majestade para o personagem.

A retidão interior é o segredo de toda a verdadeira e elevada excelência visível.

3. A Perpetuidade desta bem-aventurança. A árvore pelos cursos de água permanece em floração e frutificação, e a alegria e glória que brotam no coração e na vida do amante da Palavra de Deus são perenes e permanentes.

Aquele cuja vida se baseia na verdade divina e da bondade, que chama a vitalidade diária desde o rio do prazer de Deus, é uma sempre-viva, e floresce durante todo o ano, por toda a vida e a morte em si não pode arruinar a sua glória, ou destruir sua alegria .

4. A Universalidade desta bem-aventurança. “E tudo quanto fizer prosperará. Deferência para com a lei de Deus assegura a prosperidade universal. A bênção de Deus está em toda a obra e direcionar o justo para todas questões abençoados e de prosperidades espirituais.

Como temos tempo para as bem-aventuranças, vamos colocar-nos nas mãos de Deus. Plantados à beira do rio, devemos estar “Plantados na Presença do Senhor”.

Que Deus nos tire dos confins da natureza, e enxertar-nos em Cristo, para que sejamos nutridos pela influência do Espírito Santo, e, portanto, devemos dar o nosso fruto para santificação, e no fim a vida eterna.

Deixe uma resposta